Como evitar o desgaste do material rodante [Parte 1]

Material rodante - 22/04/2021

Os 7 erros a serem evitados no uso de máquinas de esteiras que aceleram o desgaste do material rodante.

Os custos associados ao material rodante representam uma alta porcentagem do custo total de operação da máquina de esteiras. O impacto nos custos de manutenção durante a vida total da máquina pode atingir 50% dos custos totais.

Isto porque, durante seu uso, o material rodante está sujeito a tensões e agentes externos que, com o tempo, levam ao desgaste de seus componentes. Um material rodante que não está funcionando bem não só reduz a eficiência do veículo, mas também pode danificar outras peças, afetando seriamente a produtividade e os custos.
Como qualquer outro componente essencial, o material rodante requer, portanto, a devida atenção e boas práticas para prolongar sua vida útil, diminuindo o desgaste e permitindo uma economia considerável em termos de custos de manutenção.

 

Como podemos definir o desgaste e quais são os principais fatores que o influenciam?

Há muitas definições para este fenômeno. A American Society for Testing and Materials (ASTM) define o desgaste como uma perda mecânica de material que ocorre devido ao contato entre duas superfícies. Geralmente, e a título de exemplo, podemos falar de:

  • Desgaste por adesão, originada pela interação de rugosidade entre duas superfícies em contato com uma força de adesão consistente.
  • Desgaste por abrasão, que ocorre quando partículas externas ou que pertencem a uma superfície áspera e dura deslizam através de uma superfície relativamente macia.
  • Desgaste por fadiga, com a formação de rachaduras e vazios em superfícies sólidas, amplificadas por carga contínua e variável.
  • Fretting, causado por fricção constante e cíclica de pequena amplitude entre duas superfícies.
  • Desgaste por erosão, produzido por um movimento deslizante de partículas ou fluidos sobre superfícies a uma velocidade muito elevada.
  • Corrosão por desgaste e por oxidação, que ocorre como efeito combinado da ação química e mecânica.

O desgaste, no material rodante, é causado principalmente pelos dois primeiros desses mecanismos, e pode ser agravado por três fatores principais que, felizmente, conseguimos administrar e controlar, que são:

  • Hábitos incorretos no uso da máquina, especialmente a velocidade
  • Carga
  • Presença de materiais abrasivos externos

Neste artigo analisamos o primeiro fator, ou seja, os hábitos incorretos dos operadores ao utilizar a máquina, especialmente em relação à velocidade, embora a carga desempenhe um papel igualmente importante nesses hábitos.

7 erros comuns a serem evitados ao usar a máquina para reduzir o desgaste do material rodante.

A longo prazo, os componentes do material rodante em máquinas com esteiras de aço ou borracha irão se desgastar. Todavia, existem maneiras de limitar esse processo inevitável, como um gerenciamento correto no dia a dia da máquina e do material rodante. A melhoria da técnica operacional permitirá evitar os hábitos incorretos que causam rupturas, custos extras e quedas na produtividade. Aqui estão os 7 erros mais comuns no uso de máquinas que devem ser corrigidos para conseguir com o material rodante que dure mais tempo, retardando o processo de desgaste, que é inevitável.

Erros típicos cometidos em relação a todos os tipos de máquinas

1. Elevada velocidade de avanço e marcha a ré


Por vezes pode ser útil trabalhar em alta velocidade, mas este hábito acelera o desgaste do material rodante e de suas peças, tais como elos, buchas, roletes e rodas-guia e motrizes. Geralmente, é preferível trabalhar com plena carga mantendo uma baixa velocidade do que trabalhar a meia carga com uma velocidade superior. Embora possa não parecer, a primeira solução permite fazer o trabalho mais rapidamente, economiza combustível e evita o desgaste prematuro do material rodante. Também pode ser arriscado trabalhar em marcha à ré, seja em alta ou baixa velocidade. Em particular, a inversão acelera o desgaste das buchas e da roda motriz. Portanto, é aconselhável limitar o uso de marcha ré para quando estritamente necessário, somente para curtas distâncias e sem nunca acelerar demais.

2. Movimentos desnecessários

       
Alguns operadores tendem a utilizar o veículo de esteiras também fora da área de trabalho, por exemplo, durante o intervalo do almoço. Isso faz com que o material rodante se desgaste mais rapidamente, em detrimento da produtividade, afetando o consumo de combustível. Para deslocações não inerentes à operação, é recomendável utilizar outros veículos mais apropriados.

3. Mudanças rápidas de direção


A contra rotação de uma máquina com material rodante acelera o desgaste de seus componentes e gera cargas elevadas e não produtivas que agravam o fenômeno. Portanto, é melhor não utilizar esta técnica a menos que as condições de trabalho o exijam: geralmente, nunca são realmente necessárias mudanças de direção bruscas. A melhor solução é girar a máquina gradualmente enquanto avança lentamente para frente ou em marcha à ré. As voltas graduais são mais fáceis de executar, minimizam os solavancos e o desgaste do material rodante, limitando os danos causados por possíveis falhas das peças envolvidas.

4. Girar sempre para o mesmo lado


O desgaste do veículo é inevitável, mas para mantê-lo uniforme, é preciso prestar atenção à maneira como gira seu veículo. Se girar sempre na mesma direção, os componentes do material rodante desse lado se desgastarão mais cedo do que os do outro lado. Por exemplo, se girar mais vezes para a esquerda, o lado direito se desgastará mais cedo. Sempre que possível, posicionar o veículo de modo que possa girar em outra direção de vez em quando.

Erros típicos cometidos em relação aos tratores de esteira

5. Uso incorreto da lâmina do trator de esteira


Para mover um trator de esteira totalmente carregado de maneira eficaz, é necessário prestar atenção à posição da lâmina do veículo durante o movimento. Se a lâmina estiver muito inclinada para baixo, mantém a posição de escavação mesmo quando não é mais necessária. A posição errada faz com que a máquina avance com dificuldade e com um gasto considerável de energia para pouca eficácia, gera uma carga excessiva e corre o risco de danificar a lâmina. Por sua vez, o material rodante está sujeito a um deslizamento que gera um desgaste que não é compensado pelo aumento da produtividade e, a longo prazo, danifica seus componentes. Em vez disso, o sistema mais eficaz é escavar, encher a lâmina do trator de esteira com uma carga completa e depois levantá-la do chão para que a máquina opere da maneira mais funcional possível.

6. Inclinação incorreta do ripper


O fenômeno do deslizamento ocorre também durante o ripping. Quando o ripper começa a penetrar no solo, a parte traseira da máquina é levantada, criando um desequilíbrio. Manter esta inclinação é um hábito incorreto que faz com que os componentes na frente da máquina trabalhem em esforço, incluindo a parte dianteira do material rodante. Depois de penetrar o solo, o ripper deve ser inclinado na posição de trabalho para distribuir o peso uniformemente, mover a máquina para frente corretamente e preservar o material rodante por mais tempo.

Erro típico cometido com escavadeiras

7. Avançar no lado da roda motriz


Para o correto avanço da máquina, o pinhão do material rodante deve permanecer sempre na parte traseira. Devem ser evitadas situações em que a escavadeira é movida para frente com a cabine virada para o lado do pinhão. Com essa posição incorreta, embora a escavadeira avance, a parte do material rodante está em modo marcha a ré, esforçando inutilmente seus componentes. De fato, é aconselhável limitar o máximo possível a duração da marcha a ré, pois esse mecanismo acelera o desgaste do material rodante, implicando custos de manutenção mais altos.

Na próxima edição falaremos em detalhe das outras duas causas, ou seja, a carga e a presença de materiais abrasivos externos, que têm um impacto mais específico no desgaste do material rodante. 

Autor do conteúdo

CARLO BELLINI ITR Usco
Carlo Bellini
Product Support & Quality Manager – Undercarriage Division Entre em contato comigo
Escreva para o autor
loading

Any manufacturers’ names, brand or product names, trademarks, part numbers, symbols, drawings, images, colours and descriptions appearing in this document are for reference purposes only, and it is not implied that any part listed is the product of these manufacturers. All trademarks and registered trademarks mentioned are the property of their respective owners.

Read also
Material rodante
Danos à prensa hidráulica portátil: como evitar

O uso impróprio da prensa hidráulica portátil durante as fases de manutenção das esteiras é uma das ...


Read more

Material rodante
Evitar o desgaste do material rodante [Parte 2]

Como referimos no artigo anterior, os custos associados à manutenção do material rodante durante a v...


Read more

Material rodante
Rastos de borracha antivibratórios (AVT)

Entre os riscos aos quais os operadores podem ser expostos num trabalho de obras, aquele relacionado...


Read more